Resolução – RDC nº 281, de 29 de abril de 2019

Conheça a resolução da Anvisa que autoriza o uso de aditivos alimentares e coadjuvantes de tecnologia em diversas categorias de alimentos.

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 15, III e IV aliado ao art. 7º, III, e IV, da Lei nº 9.782, de 26 de janeiro de 1999, e ao art. 53, V, §§ 1º e 3º do Regimento Interno aprovado pela Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 255, de 10 de dezembro de 2018, resolve adotar a seguinte Resolução da Diretoria Colegiada, conforme deliberado em reunião realizada em 23 de abril de 2019, e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação.

Art. 1° Esta Resolução autoriza o uso de aditivos alimentares e coadjuvantes de tecnologia em diversas categorias de alimentos.

Art. 2° Fica incluído na Tabela I da Resolução CNS/MS n° 4, de 24 de novembro de 1988, o aditivo alimentar extrato de alecrim, INS 392, na função de antioxidante, para uso em:nI – óleos de peixe, no limite máximo de 0,05 g por 100 ml, equivalente a 0,005 g por 100 ml de ácido carnósico e carnosol;nII – óleos vegetais, exceto azeite de oliva e óleos virgens, no limite máximo de 0,03 g por 100 ml, equivalente a 0,003 g por 100 ml de ácido carnósico e carnosol.

Art. 3° Fica incluído na Tabela I da Resolução CNS/MS n° 4, de 1988, o aditivo alimentar mistura concentrada de tocoferol, INS 307b, na função de antioxidante, para uso em óleo de algas, com limite máximo de 0,6 g por 100 ml, sozinho ou em combinação com outros antioxidantes já autorizados.

Art. 4° Ficam incluídos no Anexo VII da Resolução CNS/MS n° 4, de 1988, os coadjuvantes de tecnologia:nI – dióxido de cloro, INS 926, na função de agente de inibição enzimática antes da etapa de branqueamento, para uso em miúdos salgados crus, no limite máximo de 3 ppm de teor residual de dióxido de cloro; enII – ácido sulfúrico, INS 513, na função de agente de controle de microrganismos, para uso em leveduras e extratos de leveduras, no limite quantum satis.

Art. 5° Fica incluído no Anexo da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 25, de 15 de fevereiro de 2005, o aditivo alimentar beta-caroteno de Blakeslea trispora, INS 160 a(iii), na função de corante, para uso em:nI – bebida a base de soja pronta para o consumo, no limite máximo de 0,05 g por 100 ml;nII – preparado líquido para bebidas com soja, em quantidades tais que o produto pronto para o consumo atenda o limite máximo de 0,05 g por 100 ml; enIII – pós para o preparo de bebidas a base de soja, em quantidades tais que o produto pronto para o consumo atenda o limite máximo de 0,05 g por 100 ml.

Art. 6° Fica incluído na Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 18, de 24 de março de 2008, o aditivo alimentar advantame, INS 969, na função de edulcorante, para uso em:nI – alimentos e bebidas para controle de peso, no limite máximo de 0,005 g por 100 g ou 100 ml;nII – alimentos e bebidas para dietas com ingestão controlada de açúcares, no limite máximo de 0,005 g por 100 g ou 100 ml;nIII – alimentos e bebidas para dietas com restrição de açúcares, no limite máximo de 0,005 g por 100 g ou 100 ml;nIV – alimentos e bebidas com informação nutricional complementar com substituição total de açúcares, no limite máximo de 0,005 g por 100 g ou 100 ml; enV – alimentos e bebidas com informação nutricional complementar com substituição parcial de açúcares, no limite máximo de 0,00375 g por 100 g ou 100 ml.

Art. 7° Ficam incluídos no Anexo da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 5, de 4 de fevereiro de 2013, os aditivos alimentares:nI – aromatizantes autorizados pela Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 2, de 15 de janeiro de 2007, inclusive o extrato de carvalho, na categoria de bebida alcoólica destilada, subcategoria 16.1.1.3, para uso exclusivo em tequila, no limite quantum satis.nII – glicerol, INS 422, na função de estabilizante, na categoria de bebida alcoólica destilada, subcategoria 16.1.1.3, para uso exclusivo em tequila, no limite quantum satis.

Art. 8° Ficam incluídos os incisos XVI e XVII no art. 2º da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 8, de 6 de março de 2013, com a seguinte redação:n“Art. 2º Para fins de atribuição de aditivos alimentares, os produtos de frutas e de vegetais se classificam em:n(…)nXVI. Frutas descascadas ou picadas, congeladas ou não; enXVII. Proteína de soja isolada.” (NR)

Art. 9º Ficam incluídos no Anexo da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 8, de 2013, os aditivos alimentares:nI – ácido ascórbico, INS 300, nas funções de antioxidante, regulador de acidez e sequestrante, para uso em frutas descascadas e ou picadas, congeladas ou não, subcategoria XVI, no limite quantum satis.nII – ácido cítrico, INS 330, nas funções de acidulante, antioxidante, regulador de acidez e sequestrante, para uso em frutas descascadas e ou picadas, congeladas ou não, subcategoria XVI, no limite quantum satis.nIII – ácido clorídrico, INS 507, na função de acidulante, para uso em proteína de soja isolada, subcategoria XVII, no limite quantum satis;nIV – beta-caroteno de Blakeslea trispora, INS 160 a(iii), na função de corante, para uso em suco, néctar, polpa de fruta, suco tropical e água de coco, subcategoria IV, no limite máximo de 0,05 g por 100 ml;nV – carbonato de cálcio, INS 170(i), na função de regulador de acidez, para uso em frutas descascadas e ou picadas, congeladas ou não, subcategoria XVI, no limite quantum satis;nVI – hidróxido de sódio, INS 524, na função de regulador de acidez, para uso em proteína de soja isolada, subcategoria XVII, no limite quantum satis.

Art. 10. Fica incluído no Anexo I da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 239, de 26 de julho de 2018, o aditivo alimentar copolímero neutro de metacrilato, INS 1206, na função de glaceante, para uso em suplementos alimentares sólidos e semissólidos, subcategoria 14.2.1, exceto para formas mastigáveis, com limite máximo de 20g por 100 g.

Art. 11. Fica incluído no Anexo I da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 239, de 2018, o aditivo alimentar advantame, na função de edulcorante, para uso em suplementos alimentares líquidos, subcategoria 14.1, exceto para o conteúdo líquido de cápsulas gelatinosas, no limite máximo de 0,006 g por 100 ml.nParágrafo único. Para os suplementos alimentares líquidos na forma de xarope, aplica-se o limite máximo de 0,0055 g por 100 ml.

Art. 12. Fica incluído no Anexo I da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 239, de 2018, o aditivo alimentar advantame, na função de edulcorante, para uso em suplementos alimentares sólidos e semissólidos, subcategoria 14.2.1, exceto para cápsulas, cápsulas gelatinosas, comprimidos e drágeas que não sejam apresentadas nas formas mastigáveis e sublinguais, no limite máximo de 0,002 g por 100 g.nParágrafo único. Para os suplementos alimentares sólidos e semissólidos em formas mastigáveis, aplica-se o limite máximo de 0,0055 g por 100 g.

Art. 13. Fica incluído o inciso IV no art. 5º da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 239, de 2018, com a seguinte redação: “IV – União Europeia” (NR).

Art. 14. As notas relativas aos aditivos alimentares óleo de ricínio e propileno glicol autorizados para uso na função de agente carreador para a subcategoria 14.2.1 do Anexo I da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 239, de 2018, passam a vigorar com a seguinte redação: “Somente para semissólidos e gomas” (NR)

Art. 15. As notas relativas aos aditivos alimentares autorizados para uso na função de agente de firmeza para a subcategoria 14.2.1 do Anexo I da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 239, de 2018, passam a vigorar com a seguinte redação: “Somente para semissólidos e gomas” (NR)

Art. 16. As notas relativas aos aditivos alimentares ácido benzoico e todos os autorizados pela Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 45, de 3 de novembro de 2010, autorizados para uso na função de conservador para a subcategoria 14.2.1 do Anexo I da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 239, de 2018, passam a vigorar com a seguinte redação: “Somente para semissólidos e gomas” (NR)

Art. 17. As notas relativas aos aditivos alimentares ácido sórbico, sorbato de sódio, sorbato de potássio e sorbato de cálcio autorizados para uso na função de conservador para a subcategoria 14.2.1 do Anexo I da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 239, de 2018, passam a vigorar com a seguinte redação: “Como ácido ascórbico e somente para semissólidos e gomas” (NR)

Art. 18. As notas relativas aos aditivos alimentares benzoato de sódio, benzoato de potássio e benzoato de cálcio autorizados para uso na função de conservador para a subcategoria 14.2.1 do Anexo I da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 239, de 2018, passam a vigorar com a seguinte redação: “Como ácido benzoico e somente para semissólidos e gomas” (NR)

Art. 19. As notas relativas aos aditivos alimentares autorizados para uso na função de geleificante para a subcategoria 14.2.1 do Anexo I da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC nº 239, de 2018, passam a vigorar com a seguinte redação: “Somente para produção de cápsulas gelatinosas ou semissólidos e gomas” (NR)

Art. 20. O descumprimento das disposições contidas nesta Resolução constitui infração sanitária, nos termos da Lei nº 6.437, de 20 de agosto de 1977, sem prejuízo das responsabilidades civil, administrativa e penal cabíveis.

Art. 21. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

WILLIAM DIBnDiretor-Presidente

Conseguimos ajudá-lo? Se houver dúvidas deixe seu comentário ou entre em contato: +55 (11) 9.8272-8929

Confira também os artigos abaixo

A importância de educar a liderança em segurança.

Esclarecendo o que é psicologia da segurança. Se você procurar a definição de psicologia da segurança, vai encontrar uma porção delas, porém eu escolhi uma que é citada no livro da juliana bley que é: parte da psicologia que se ocupa do componente segurança na conduta...

Equipes de Aprendizagem

A PRÁTICA DE “LEARNING TEAMS”: Aprendendo e melhorando a segurança, qualidade e excelência operacional  por  Brent Sutton  (Autor), Glynis McCarthy  (Autor), Brent Robinson  (Autor), Todd Conklin  (Prólogo), Hugo...

Princípio 05 – Como os líderes reagem ao fracasso

Para alinharmos nossos entendimentos, irei começar por alguns fundamentos do princípio 5: a) Este princípio direciona a organização para dois lugares distintos. O primeiro é CULPAR E PUNIR ou APRENDER E MELHORAR, porém IMPOSSÍVEL estar em ambos os lugares. b) Os...

Princípio 04 – O Contexto Impulsiona o Comportamento

Para entender e alinharmos nossos entendimentos, irei começar por alguns fundamentos do princípio 4: a) Os trabalhadores fazem o que fazem por uma única razão, a razão é que faz sentido para o trabalhador dado o contexto que ele vive e trabalha.b) Sistemas complexos...

Princípio 03 – Aprender a melhorar é vital!

Para entender bem este princípio, vou começar com 3 perguntas poderosas para provocar sua reflexão: a) Quais sistemas, processos e ferramentas você tem para obter feedback abertamente sobre sua organização? Quão fáceis de usar e disponíveis estão essas ferramentas...

Princípio 02 – Culpar não resolve nada

Todos se lembram que nós Seres Humanos cometemos de 5 a 7 erros por hora, não se trata de um número cabalístico, mas são estimativas feitas por pesquisadores do desempenho humano. Em sendo assim, culpar as pessoas que erram seria um contrassenso, não acham?,Bom,...

Princípio 01 – As pessoas cometem erros

Estudos a respeito de desempenho Humano e Organizacional tentam encontrar um número cabalístico de quantos erros os Seres Humanos cometem. Não temos certeza se este número esta correto, mas alguns autores diz que cometemos de 5 a 7 erros por hora, incrível não?? É...

HOP: Human And Organizational Performance – Desempenho humano e organizacional

Vamos falar sobre o “Desempenho Humano e Organizacional”- HOP. Por ser um tema um tanto quanto extenso, vamos dividi-lo em 5 partes, e por quê 5 partes?, porque são 5 princípios e irei pautar um princípio por capítulo, neste primeiro capítulo, irei contextualizar um...

27 de Julho Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho

A data é um marco histórico na luta dos trabalhadores por melhorias nas condições de segurança e saúde no trabalho.   O dia propõe uma reflexão sobre como os ambientes e processos de trabalho podem determinar tanto a saúde quanto os acidentes e o adoecimento dos...

Use a Gestão de Resíduos para proporcionar preservação ambiental, ganhos financeiros, ações sociais e conformidade legal

O que é resíduo Tudo que não tem mais utilidade direta para sua empresa e precisa ser descartado, é um resíduo. Dentre eles papel, plástico, papelão, vidro, madeira, eletrônicos, efluente, produtos químicos, hospitalar, entulho, lâmpadas, contaminados, etc. Por que...

Entre em contato!

Endereço

Rua Niterói, 362
Centro São Paulo - SP
Cep: 09510-200