O Food Defense na Prática

Contaminação na cervejaria Backer expõe a importância desta área do Food Safety.

Um caso recente de Food Safety que chamou muito a atenção da mídia e dos brasileiros de maneira geral foi o da contaminação em dois lotes da cerveja Backer. Até a postagem deste artigo, quatro pessoas morreram e dezenas de consumidores foram internadas em estado grave em hospitais de Minas Gerais. Segundo o balanço clínico de momento, as vítimas apresentam síndrome nefroneural. A polícia e o Ministério Público investigam o caso e a suspeitas recaem sobre a qualidade dos produtos da cervejaria belo-horizontina.

Segundo as apurações iniciais, um determinado item do portfólio da Backer teria a presença de monoetilenoglicol e de dietilenoglicol, duas substâncias tóxicas e impróprias para o consumo humano.

O Ministério da Agricultura interditou por alguns dias a fábrica da empresa no mês passado, e o Ministério da Saúde determinou a apreensão dos produtos da cervejaria artesanal nos supermercados do país.

Com isso, além do problema policial, a Backer enfrenta uma gravíssima crise institucional e de imagem. Segundo a polícia, a direção da Backer acredita ter sido vítima da ação de um ex-funcionário. Revoltado com a demissão, ele teria comprometido a segurança dos produtos da empresa propositadamente. Há inclusive um boletim de ocorrência (B.O.) registrado por um supervisor da cervejaria, em 19 de dezembro, relatando as ameaças de contaminação feitas pelo demitido.

Apesar de triste, esse episódio nos ajuda a mostrar a importância do Food Defense, uma das áreas mais sensíveis do Food Safety. Quem acompanha frequentemente o Blog da Afam Consultoria , sabe que estamos tratando periodicamente dos diferentes aspectos da Segurança dos Alimentos. Em outubro, por exemplo, discutimos a Matriz de Riscos da Segurança de Alimentos, em novembro, analisamos o Food Safety e, em dezembro, detalhamos as Normas e Procedimentos do Food Quality. No post de hoje, vamos falar especificamente do Food Defense, tema que ganhou o noticiário nas últimas semanas.

O Food Defense é uma das quatro categorias da Matriz de Risco para a Segurança de Alimentos. Muitas vezes, o Food Defense é confundido erroneamente com o Food Fraud. Apesar de ambos serem áreas do Food Safety, cada um deles possui características e finalidades de atuação bem distintas. Enquanto o primeiro representa a Segurança de Alimentos contra a contaminação intencional e maliciosa, o segundo combate à adulteração dos alimentos que leve a vantagens econômicas por parte do fabricante.

No caso da Backer, trata-se, a princípio, de um caso típico de Food Defense. Afinal, o ex-funcionário agiu, segundo se sabe até agora, de maneira quase terrorista contra a empresa e a saúde dos clientes desta. Esse caso só seria classificado como Food Fraud se a cervejaria belo-horizontina tivesse colocado intencionalmente o monoetilenoglicol e o dietilenoglicol em suas mercadorias para ganhar volume indevidamente (e tirar proveitos financeiros dessa prática).

Assim, o Food Defense combate todo tipo de contaminação criminosa, que pode ser biológica, química, física e até radiológica. Essa contaminação pode ser provocada intencionalmente por funcionários, ex-funcionários, parceiros, fornecedores, concorrentes ou intrusos ao processo produtivo. O Food Defense é um tema extremamente delicado da Segurança de Alimentos, pois envolve muitos fatores humanos e alguns elementos que tangem o imponderável, o que dificulta ainda mais a sua aplicação em toda a cadeia produtiva.

As empresas devem implementar estratégias e utilizar ferramentas de Food Defense para proteger tanto suas cadeias de suprimentos quanto suas instalações produtivas contra a contaminação e contra a adulteração proposital. A principal ferramenta do Food Defense é o CARVER+Shock que representa um acrônimo de sete atributos:

– Criticidade – Impacto sobre a saúde pública

– Acessibilidade – capacidade de acesso físico

– Reconhecibilidade – facilidade de identificar um alvo

– Vulnerabilidade – facilidade de realizar uma contaminação

– Efeito – consequências de uma contaminação e

– Recuperabilidade – capacidade do sistema se recuperar perante uma falha de segurança e o Shock que mistura os impactos da saúde, econômicos e psicológicos.

Com essa ferramenta é possível efetuar uma avaliação de vulnerabilidade detalhada considerando vários fatores que permitem análise sobre o impacto econômico, psicológico e na saúde da população depois que uma contaminação intencional ocorra. Os resultados encontrados, após estudos, ajudarão na construção de um plano de defesa alimentar, o qual visa proteger os produtos de contaminações intencionais para garantir um ambiente de trabalho seguro para os funcionários, fornecer um produto seguro para a população, proteger as empresas e aumentar o grau de preparação e a capacidade de resposta perante uma situação crítica.

Para saber todos os serviços de consultoria, treinamento e auditoria interna que a Afam Consultoria realiza na área de Food Safety e, mais precisamente, em Food Defense.

Confira também os artigos abaixo

A importância de educar a liderança em segurança.

Esclarecendo o que é psicologia da segurança. Se você procurar a definição de psicologia da segurança, vai encontrar uma porção delas, porém eu escolhi uma que é citada no livro da juliana bley que é: parte da psicologia que se ocupa do componente segurança na conduta...

Equipes de Aprendizagem

A PRÁTICA DE “LEARNING TEAMS”: Aprendendo e melhorando a segurança, qualidade e excelência operacional  por  Brent Sutton  (Autor), Glynis McCarthy  (Autor), Brent Robinson  (Autor), Todd Conklin  (Prólogo), Hugo...

Princípio 05 – Como os líderes reagem ao fracasso

Para alinharmos nossos entendimentos, irei começar por alguns fundamentos do princípio 5: a) Este princípio direciona a organização para dois lugares distintos. O primeiro é CULPAR E PUNIR ou APRENDER E MELHORAR, porém IMPOSSÍVEL estar em ambos os lugares. b) Os...

Princípio 04 – O Contexto Impulsiona o Comportamento

Para entender e alinharmos nossos entendimentos, irei começar por alguns fundamentos do princípio 4: a) Os trabalhadores fazem o que fazem por uma única razão, a razão é que faz sentido para o trabalhador dado o contexto que ele vive e trabalha.b) Sistemas complexos...

Princípio 03 – Aprender a melhorar é vital!

Para entender bem este princípio, vou começar com 3 perguntas poderosas para provocar sua reflexão: a) Quais sistemas, processos e ferramentas você tem para obter feedback abertamente sobre sua organização? Quão fáceis de usar e disponíveis estão essas ferramentas...

Princípio 02 – Culpar não resolve nada

Todos se lembram que nós Seres Humanos cometemos de 5 a 7 erros por hora, não se trata de um número cabalístico, mas são estimativas feitas por pesquisadores do desempenho humano. Em sendo assim, culpar as pessoas que erram seria um contrassenso, não acham?,Bom,...

Princípio 01 – As pessoas cometem erros

Estudos a respeito de desempenho Humano e Organizacional tentam encontrar um número cabalístico de quantos erros os Seres Humanos cometem. Não temos certeza se este número esta correto, mas alguns autores diz que cometemos de 5 a 7 erros por hora, incrível não?? É...

HOP: Human And Organizational Performance – Desempenho humano e organizacional

Vamos falar sobre o “Desempenho Humano e Organizacional”- HOP. Por ser um tema um tanto quanto extenso, vamos dividi-lo em 5 partes, e por quê 5 partes?, porque são 5 princípios e irei pautar um princípio por capítulo, neste primeiro capítulo, irei contextualizar um...

27 de Julho Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho

A data é um marco histórico na luta dos trabalhadores por melhorias nas condições de segurança e saúde no trabalho.   O dia propõe uma reflexão sobre como os ambientes e processos de trabalho podem determinar tanto a saúde quanto os acidentes e o adoecimento dos...

Use a Gestão de Resíduos para proporcionar preservação ambiental, ganhos financeiros, ações sociais e conformidade legal

O que é resíduo Tudo que não tem mais utilidade direta para sua empresa e precisa ser descartado, é um resíduo. Dentre eles papel, plástico, papelão, vidro, madeira, eletrônicos, efluente, produtos químicos, hospitalar, entulho, lâmpadas, contaminados, etc. Por que...

Entre em contato!

Endereço

Rua Niterói, 362
Centro São Paulo - SP
Cep: 09510-200