Fique atento! Medidas de Controle do Risco – Segurança e Saúde Ocupacional

Reconheça os fatores ocupacionais de risco do seu negócio e desenvolva medidas de Controle do Risco.

Sabemos que o trabalho é indispensável para o indivíduo, para a sociedade e para o desenvolvimento dos países.

Algumas atividades humanas indispensáveis como: agricultura, extração de minerais, indústria, produção de energia, transporte e outros serviços, estão frequentemente associadas com a ocorrência de agentes ou fatores que podem oferecer riscos para a saúde do colaborador. Estes riscos podem ser de acidentes ou doenças profissionais. Por isso a importância do estabelecimento de medidas de controle do risco pois o objetivo da Segurança do Trabalho é de promover a saúde e a proteção do trabalhador em seu local de atividade, visando reduzir significativamente o número de acidentes e doenças ocupacionais.

FATORES OCUPACIONAIS DE RISCO

Agentes químicos: sob formas líquida, gasosa ou de partículas.

• Arsênico: refinação do cobre, pesticidas, produtos farmacêuticos, fabricação de vidro, preservação da madeira, indústria do couro

• Benzeno: coquerias, indústria petroquímica, gasolina (1-5%), impureza em certos solventes, industria do couro (colas), indústria química

• Chumbo: fabricação de baterias e pilhas, mineração e refinação, fundições, tintas e pigmentos, cerâmica, gasolina (orgânico), recuperação de sucata, indústria química

• Mercúrio: pesticidas, processo cloro-alcali, equipamento eletrônico, fabricação de pilhas, indústria farmacêutica, indústria de termômetros, manômetros, barômetros

• Solventes (hidrocarbonetos alifáticos, clorados, aromáticos), utilizados para diferentes finalidades como limpeza a seco, desengraxamento de peças, limpeza de metais, indústria química

• Agrotóxicos: agricultura, preservação de madeiras, armazenamento de grãos.

Poeiras minerais e vegetais:

• Asbesto: mineração do asbesto, manufatura de produtos têxteis de amianto, lonas de freios, fabricação e uso de cimento amianto

• Sílica livre e cristalina: pedreiras de granito ou de arenito, minas de cobre, fábrica de abrasivos, jateamento de areia, fundições, construção civil

• Carvão: minas de carvão

• Algodão: preparação, cardas, fiação

• Sisal: fabricação de cordas

• Poeiras de madeira: serrarias, fábricas de moveis e outros artefatos de madeira, construção

• Poeiras de grãos: silos

Agentes físicos:

• Ruído: caldeirarias, prensas, rebitagem, utilização de martelos pneumáticos, fiação e tecelagem, construção, aeroportos

• Vibrações: utilização de martelos pneumáticos, tratores

• Calor: fundições, forjas, fábricas de vidro, fornalhas, construção (climas quentes), trabalhos ao sol

• Radiações ionizantes: hospitais, raios-X industrial

• Radiações não-ionizantes: solda elétrica (UV), radares

• Pressões atmosféricas anormais: trabalhos em caixas de ar comprimido, mergulhos

Agentes biológicos (como vírus, ricketsias, bactérias, parasitas, fungos e seus esporos):

• Vírus: VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana), Vírus das Hepatites virais; Flavivirus

• Bactérias: Bacillus anthracis, Brucellas, Clostridium tetani

• Parasitas: os Plasmodium, Schistosoma mansoni, Ancylostoma duodenale e Necator americanus

• Fungos e seus esporos: Micropolyspora faeni, Thermoactinomyces vulgaris, Histoplasma capsulatum

Fatores Ergonômicos: Cargas estáticas ou dinâmicas excessivas e/ou manejadas inadequadamente, como resultado de posições e posturas incorretas (devido a equipamentos, máquinas e móveis inadequados, ou a falta de treinamento quanto à maneira correta de executar as tarefas); velocidade excessiva de trabalho ou monotonia; carregamento de pesos excessivos e/ou mal feito (construção civil, agricultura e trabalhos rurais, trabalhos em hospitais levantando pacientes); traumas cumulativos; movimentos e esforços repetitivos (digitadores, caixas de supermercado, trabalhos com equipamentos vibratórios leves, músicos).

Fatores Psicossociais: Problemas socioeconômicos, psicológicos, más relações de trabalho, ritmo de trabalho inadequado, isolamento, trabalho excessivo e/ou não gratificante, falta de pausas para repouso, nível de responsabilidade inadequado (muita ou pouca), falta de controle sobre o resultado do trabalho, sub ou super capacitação, falta de treinamento para as tarefas, turnos inadequados; assédio moral e sexual. As solicitações crescentes do mundo moderno e do mercado de trabalho, como a necessidade de maior produtividade, redução continua do contingente de trabalhadores nas empresas, expectativas irrealizáveis, relações de trabalho tensas, exigências excessivas quanto às capacidades individuais e quanto ao tempo disponível para realizar as tarefas, e muitos outros fatores colocam as pessoas em situações de grande stress ocupacional, o que leva a uma série de consequências.

RECONHECIMENTO DE RISCOS

Esta é uma etapa fundamental na pratica da higiene ocupacional, pois riscos que não são inicialmente identificados, não serão nem avaliados nem controlados. O reconhecimento adequado dos riscos permite uma definição clara do problema e o estabelecimento de prioridades para ação.

A metodologia para o reconhecimento de riscos deve incluir:

– estudo inicial

– visita ao local de trabalho para observações detalhadas

– análise dos dados obtidos

A fim de que nenhum risco seja negligenciado durante a visita ao local de trabalho, é necessário um estudo prévio sobre as tecnologias e processos de trabalho em questão, operações, equipamentos e máquinas, matérias primas, substancias químicas utilizadas, produtos, eventuais sub-produtos e resíduos. Devem ser investigadas as possibilidades de uso, formação e dispersão de agentes ou fatores nocivos associados aos diferentes processos de trabalho, bem como seus possíveis efeitos sobre a saúde. Isto requer conhecimentos, experiência e acesso à informação, por exemplo, literatura especializada (como Burgess, 1995; OIT, 1998) e outras fontes (algumas estão exemplificadas a seguir).

Alguns sites úteis (gratuitos) para pesquisar as propriedades dos fatores de risco ocupacionais:

INCHEM: http://www.inchem.org/

Este site tem links para bases de dados internacionais muito importantes, como:

• IARC (para cancerígenos) – link direto: http://www.inchem.org/pages/iarc.html

• Fichas de Segurança Química – http://www.inchem.org/pages/icsc.html

• Concise International Chemical Assessment Documents (CICADs): http://www.inchem.org/pages/cicads.html

As Fichas de Segurança Química em espanhol: http://www.mtas.es/insht/ipcsnspn/spanish.htm

NIOSH: http://www.cdc.gov/niosh/homepage.html

Em espanhol: http://www.cdc.gov/spanish/niosh/ (varias publicações desde agentes químicos, físicos, biológicos, a ergonomia, e estresse e violência no trabalho)

Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo (Espanha): http://www.mtas.es/insht/ Online NIOSH Pocket Guide to Chemical Hazards: http://www.cdc.gov/niosh/npg/npg.html Registro Internacional de Substancias Tóxicas (UNEP-PNUMA): http://www.chem.unep.ch/irptc/

E QUAIS AS MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO?

Para amortização e redução dos riscos, foram criadas algumas medidas, sendo elas com maior prioridade, outras com menor. Essa lista de prioridades é conhecida por Hierarquia de Controle (HOC).

Hoje em dia, através da internet, podemos ver vários tipos de HOC, mas aqui vamos trazer a você os princípios básicos nos quais as hierarquias são baseadas.

Basicamente, existem três pontos nas quais as Medidas de Controle do Risco podem ser aplicadas. São elas:n• Na origem do contaminante (Fonte)n• Ao longo do percurso entre a origem e o trabalhador (Ambiente)n• No receptor (Trabalhador)n

Para cada uma destas três fases, encaixamos alguma das seguintes medidas:

Medidas de Eliminação (Fonte): Essa medida prevê a eliminação da condição perigosa que coloca em risco o trabalhador. Por exemplo, eliminar o manuseio manual de uma ferramenta perigosa por um manuseio mecânico.

Medidas de Substituição ou Minimização (Fonte): Substituir o agente de risco perigoso por outro menos agressivo ou, ainda, reduzir a energia do processo (através de força, amperagem, temperatura, etc.)

Medidas de Engenharia (Ambiente): Mudança na estrutura do local de trabalho do profissional, de modo a distanciar a condição perigosa dos trabalhadores. Por exemplo: implantação de sistemas de ventilação, enclausuramento, etc.

Medidas de Separação (Ambiente): Um exemplo para esta medida é a separação de ciclistas, pedestres e veículos nas vias públicas da cidade. Dessa forma, separa as energias evitando acidentes.

Medidas Administrativas (Ambiente e Trabalhador): Aqui entram os treinamentos e ensinamentos para a execução do trabalho. Também está inclusa a sinalização horizontal e vertical, os sinais de advertência e alarmes, além de permissões de acesso, etc.

E por último na Hierarquia de Controle, mas ainda como uma importante Medida de Controle do Risco, temos o EPI.

EPI – Equipamento de Proteção Individual: Quando todas as medidas anteriores não forem suficientes para assegurar a saúde e segurança do trabalhador, é dever da empresa o fornecimento de equipamentos de proteção individual para o trabalhador que deve guardar, manusear e cuidar com atenção.

Observe a imagem que criamos abaixo para que você possa compreender melhor a Hierarquia de Controle (HOC).

Essas mesmas Medidas de Controle do Risco, além de serem definidas como vimos acima, podem ser definidas por Controle de Prevenção e Controle de Recuperação.

Controles de Prevenção são aquelas medidas que evitam a possibilidade da situação perigosa atingir o trabalhador. É como se evitassem que um objeto caísse, chegando assim até a cabeça do trabalhador.

Já os Controles de Recuperação são as medidas que atuam na consequência, após o evento indesejado já ter acontecido. Como por exemplo o capacete, que não evita que o objeto não caia, mas evita que machuque o trabalhador quando chegar até ele.

Conseguimos ajuda-lo?

Se houver dúvidas deixe seu comentário ou entre em contato: +55 (11) 9.8272-8929.

Confira também os artigos abaixo

Princípio 05 – Como os líderes reagem ao fracasso

Para alinharmos nossos entendimentos, irei começar por alguns fundamentos do princípio 5: a) Este princípio direciona a organização para dois lugares distintos. O primeiro é CULPAR E PUNIR ou APRENDER E MELHORAR, porém IMPOSSÍVEL estar em ambos os lugares. b) Os...

Princípio 04 – O Contexto Impulsiona o Comportamento

Para entender e alinharmos nossos entendimentos, irei começar por alguns fundamentos do princípio 4: a) Os trabalhadores fazem o que fazem por uma única razão, a razão é que faz sentido para o trabalhador dado o contexto que ele vive e trabalha.b) Sistemas complexos...

Princípio 03 – Aprender a melhorar é vital!

Para entender bem este princípio, vou começar com 3 perguntas poderosas para provocar sua reflexão: a) Quais sistemas, processos e ferramentas você tem para obter feedback abertamente sobre sua organização? Quão fáceis de usar e disponíveis estão essas ferramentas...

Princípio 02 – Culpar não resolve nada

Todos se lembram que nós Seres Humanos cometemos de 5 a 7 erros por hora, não se trata de um número cabalístico, mas são estimativas feitas por pesquisadores do desempenho humano. Em sendo assim, culpar as pessoas que erram seria um contrassenso, não acham?,Bom,...

Princípio 01 – As pessoas cometem erros

Estudos a respeito de desempenho Humano e Organizacional tentam encontrar um número cabalístico de quantos erros os Seres Humanos cometem. Não temos certeza se este número esta correto, mas alguns autores diz que cometemos de 5 a 7 erros por hora, incrível não?? É...

HOP: Human And Organizational Performance – Desempenho humano e organizacional

Vamos falar sobre o “Desempenho Humano e Organizacional”- HOP. Por ser um tema um tanto quanto extenso, vamos dividi-lo em 5 partes, e por quê 5 partes?, porque são 5 princípios e irei pautar um princípio por capítulo, neste primeiro capítulo, irei contextualizar um...

27 de Julho Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho

A data é um marco histórico na luta dos trabalhadores por melhorias nas condições de segurança e saúde no trabalho.   O dia propõe uma reflexão sobre como os ambientes e processos de trabalho podem determinar tanto a saúde quanto os acidentes e o adoecimento dos...

Use a Gestão de Resíduos para proporcionar preservação ambiental, ganhos financeiros, ações sociais e conformidade legal

O que é resíduo Tudo que não tem mais utilidade direta para sua empresa e precisa ser descartado, é um resíduo. Dentre eles papel, plástico, papelão, vidro, madeira, eletrônicos, efluente, produtos químicos, hospitalar, entulho, lâmpadas, contaminados, etc. Por que...

O que são aspectos e impactos ambientais?

Aspecto ambiental é qualquer elemento que interage ou pode interagir com o meio ambiente de forma positiva ou negativa – resíduos, emissões atmosféricas, efluentes, produtos químicos, consumo de água, consumo de energia, consumo de materiais diversos. Impacto...

ISO14001 – Sistema de Gestão Ambiental

Através de uma combinação de controles administrativos e operacionais, a Gestão Ambiental tem como objetivo principal identificar e gerir seus aspectos significativos, de forma a mitigar ou eliminar os impactos negativos ao meio ambiente. Além disso, atender a...

Entre em contato!

Endereço

Alameda João Galego, 174
Santa Maria, São Caetano do Sul – SP
Cep: 09560-340